4 de maio de 2011

Pense Nisso - Você sofre de T.O.C?

O que é o TOC? Quais são os sintomas?
O Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) é um transtorno de ansiedade. As pessoas que apresentam o TOC, também chamado de “a doença da dúvida”, são acometidas por pensamentos intrusivos ou ideias recorrentes, como “será que estou com mau cheiro?” ou “será que tranquei a porta da casa?”. E para reduzir a ansiedade e angústia geradas pelos pensamentos obsessivos, a pessoa desenvolve comportamentos repetitivos e ritualísticos (ficar horas no banho ou voltar várias vezes para ver se porta está trancada). O portador de TOC fica preso a um círculo vicioso.
Obsessões e Compulsões comuns:
• Lavar as mãos inúmeras vezes ao longo do dia;
• Lavar as roupas que tenham sido usadas fora de casa (mesmo limpas);
• Lavar as mãos imediatamente ao chegar da rua;
• Trocar excessivamente de roupa;
• Tomar banhos muito demorados, esfregando demasiadamente o sabonete;
• Usar sistematicamente o álcool para limpeza das mãos ou do corpo;
• Lavar as caixas de leite, garrafas de refrigerantes, potes de margarina, antes de guardá-los na geladeira;
• Passar o guardanapo nas louças ou talheres do restaurante;
• Usar xampu, sabão, desinfetante ou detergente de forma excessiva;

O tratamento do TOC consiste em terapia medicamentosa e psicoterapia comportamental. Na psicoterapia, a pessoa é instruída e educada sobre o TOC. O objetivo terapêutico é quebrar o círculo vicioso das obsessões e compulsões. Assim, a pessoa deixa de viver em função dos seus comportamentos disfuncionais e reconduzirá sua vida.

Famosos com TOC:
Jô Soares: Os quadros de sua casa têm que estar levemente tombados para a direita. Cantor Roberto Carlos: não usar nada de cor marrom, evitar palavras de conotação negativa e jamais assinar documentos na fase minguante da Lua. Atriz Luciana Vendramini: só conseguia dormir se visse um táxi amarelo passando na rua. Em seguida, ela passou a se deitar se visse dois táxis amarelos, um atrás do outro. Depois, os dois táxis amarelos e uma pessoa andando na direção oposta. Para sair do banho, por exemplo, Luciana precisava “congelar um pensamento bom” na mente. Obviamente, nessas horas, ela só pensava em coisas ruins. Um dia seu pai teve de invadir o banheiro e tirá-la de lá à força. Fazia dez horas que Luciana estava no chuveiro. Ela está curada após o tratamento.

Fontes:
UFRGS
Clicabrasilia
InPA - Instituto de Psicologia Aplicada
Imagem tirada do site: http://eueenzo.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oba! Vai comentar, já agradeço a atenção.
Beijos e volte sempre!
Janaína Valadares Guimarães ^-^